Últimas Postagens

1 de setembro de 2016

Um Olhar Sobre: Como Se Fosse Magia, Bianca Briones.




Eu gostaria de deixar registrado aqui o quanto eu sofri e fiquei angustiada com o Enzo não saber quem era, e o quanto desejei que meus personagens saíssem do livro para eu casar com eles.

Ok, já desabafei, vamos ao que interessa.

Quando a Bi contou que iria escrever um livro fora do Universo de Batidas Perdidas (HAHAHAHAHAHA) eu já comecei a sofrer, primeiro porque eu preciso da história do Lucas (e logo Bianca) e segundo porque eu já queria conhecer a Eva e o Enzo mais que tudo nessa vida.

Como todos já sabem ao fazer uma leitura de um livro eu procuro buscar a mensagem que ele quer passar, em Como Se Fosse Magia ela me passou muitas, antes de entrarmos na questão é importante vocês entenderem a história.

Em Como Se Fosse Magia, Eva, uma escritora brilhante, está há mais de um ano com um bloqueio para escrever; ela e seu amigo, e agente, Thiago já não sabem mais o que fazer, afinal ela tem 15 dias pra entregar o último livro da sua série Universo Paralelos. Em uma noite Eva presencia um assalto onde um homem é ferido, e bom quando ela vê esse homem o mundo dela vira de cabeça para baixo, e você só vai descobrir lendo.

Primeiro ponto para o livro: Eva é escritora, e me senti representada. Eva conversa com seus personagens, e isso demonstra muito da realidade de muitos escritores, viver e sentir o personagem como se ele fosse real, porque para muitos autores ele é, a Bianca é assim. Diversas vezes, ela disse que os personagens conversavam com ela querendo contar suas histórias.

O livro traz uma leveza diferente da série Batidas Perdidas, mas ao mesmo tempo te leva a mundos e a experimentar sentimentos até então desconhecidos. Você passa o tempo todo do livro tentando decifrar o que sentir ou pensar, em determinado momento você quer arrancar os cabelos pra saber a verdade por trás dos mistérios nele apresentado.

Uma das mensagens mais importantes do livro é com certeza o amor, mas não apenas o amor de estar apaixonado, mas algo mais profundo que isso: amor de amizades verdadeiras, de fazer qualquer coisa pela pessoa que você ama que o amor da sua vida pode ser um amigo, um irmão. A delicadeza e profundidade da amizade de Eva e Thiago, duas pessoas ferradas pela família, te faz querer desejar uma amizade assim pro resto da vida.

A Bi trata de homofobia também, só que dessa vez vinda direto de dentro da família, onde um pai não aceita o próprio filho e o quanto isso pode destruir e desestabilizar uma pessoa. Num mundo onde o preconceito contra Homoafetivos é tratado como “normal” e ainda há um tabu, ridículo, em cima da discussão do assunto, Bianca nos apresenta como é o preconceito vindo de dentro de casa, onde um pai é agressivo, pois o filho simplesmente tem a escolha/orientação/amor por alguém do mesmo sexo.

A mensagem de Bianca é clara e objetiva, o amor é mágico, o amor transforma o amor tudo suporta e protege, o amor é esplêndido e também salvador, amar o próximo é divino, respeitar o ser humano como um ser independente de suas escolhas ou do que a sociedade acha certo ou errado é a base para se construir um mundo melhor.
Bianca nos diverte e cheguei muito a pensar que Eva fosse Bianca, e ainda acho 
só me falta descobrir se ela achou o Enzo dela. Bi nos fazer desejar ter um Enzo, a buscar por ele. Como Se Fosse Magia, nos lança sua verdadeira magia de buscar aquilo que realmente querer independente do que os outros vão achar, porque a vida é uma só e a gente tem que viver.

Eva e Enzo são a formula perfeita de amor e loucura, mas uma loucura docemente amável. Bianca nos presenteia com mais uma de suas obras envolta de magia e surpresas, muita surpresas. Espero por uma continuação dessa estória, realmente preciso saber mais sobre Eva e Enzo, Thiago e Breno.

Leiam!

Com, amor...
Mai Passos G.
Autora de Sofia, editora e redatora do Blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário